3 de ago de 2011

Quando o sono não vem


Dormir nada mais é do que um ato de entrega. Abandonar-se ao sono, aos lençóis, ao escuro, ao nada. Largar totalmente a mão do controle, da direção, pois para dormir, não há nada a ser feito, absolutamente nada. Quando não conseguimos esse "fazer nada", quando preenchemos o vazio do qual o sono brota naturalmente com alguma intenção, pensamento ou certas emoções, podemos receber a visita não muito agradável da insônia.

Ao contrário de ligar a tv, pegar um livro ou se levantar e ir fazer qualquer outra coisa, essa é uma ótima oportunidade para se praticar yoga. Com o quarto escuro e silencioso, experimente ficar deitado na cama com o corpo quieto, imóvel, e deixar a percepção passear pelas sensações do corpo e da respiração. Esse não é um exercício para se conseguir dormir, a única intenção é ficar percebendo as sensações que se tem, nada mais. Começe sentindo os pés, perceba quais sensações têm deles naquele momento, e depois vá passando cuidadosamente por cada parte do corpo, sem pressa, apenas percebendo e saboreando as sensações que tem de cada região. Durante esse percurso vários pensamentos virão pedir a sua atenção, e nessa hora é fundamental voltar-se apenas para as sensações e não alimentar os pensamentos. Ativar o racional nessa momento é afastar a entrega que pode levar ao sono, ficar nas sensações é uma forma de ir desligando a mente. 

Procure permanecer neste estado de observação despretensiosa, entregue à percepção das sensações corporais. Este é um estado profundamente restaurador e permite que o corpo e a mente descansem, independente do sono vir ou não. Não se importe e entregue-se ao corpo, você tem a noite toda para isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário