10 de out de 2013

Paz pelo Yoga



Esta semana está acontecendo em muitas cidades do país, inclusive aqui em Taubaté, o “Yoga pela Paz”, evento que tem o objetivo de propagar o clima de paz pelas cidades através de práticas de yoga e meditação. Muitas escolas oferecem aulas gratuitas e há muitas práticas abertas em parques e praças. Uma ótima iniciativa que vem crescendo a cada ano!

Mas qual a relação entre o yoga e a paz? Como se dá esse casamento que parece tão evidente e inevitável entre praticar yoga e ficar em paz? A paz é geralmente definida como algo contrário à guerra, ao conflito, à discórdia, paz é a ausência desses estados, internos (consigo mesmo) ou externos (entre pessoas, entidades, países...). A derradeira bandeira branca. Mas o fato de não estar em guerra, em conflito, não quer dizer muita coisa, e muitas vezes pode ser até bem preocupante. Essa é uma situação parecida com aquela onde o médico por não achar nenhuma doença no paciente o julga saudável. Saúde não é o mesmo que não estar doente, pois muito além de não ter sintomas, saúde é a presença de vitalidade no organismo. Assim também a paz não se resume em não estar em conflito, em “estar de boa”, mas vai bem além dessa condição, pois diz respeito à posse de algo que independa das oscilações entre conflito e não conflito.

A prática de yoga e meditação proporcionam algumas profundas sensações de bem estar, e isso é constatável já no primeiro contato. E esse bem estar é aquela paz da ausência de conflito, ou seja, é a paz que facilmente nos escapa da mão, basta o primeiro contato com o mundo que ela se desfaz magicamente. Por quantas vezes já não presenciei os alunos acabarem a aula num clima de silêncio profundo e em questão de segundos, enquanto ainda guardam os acessórios, já voltarem à agitação que estavam antes da aula? Ou então isso acaba acontecendo quando religam o celular, ou quando entram no carro, ou quando chegam em casa, ou ligam a TV, ou qualquer outra forma de contato com o mundo. Para onde foi aquela paz?

Essa paz é boa, pode e precisa ser desenvolvida, mas está longe daquela que o yoga e a meditação podem proporcionar. A paz que vai além da ausência de conflitos, que vai além do bem estar é a paz de saber-se quem se é. Paz que não pode ser roubada é a clareza de poder olhar para si mesmo e reconhecer o que se sente, o que se pensa, o que se deseja e o que se teme. Paz de poder reconhecer todas, absolutamente todas, as experiências que podemos ter, paz de nada excluir. Paz de ser testemunha de si mesmo, não importando se o dia é de sol e os pássaros cantam ou se faz frio e chove.  Todas as técnicas de meditação ou de yoga são caminhos que podem nos levar para além do bem estar, que podem nos aproximar daquilo que somos, e que não sabíamos ou lutávamos para não ser. E longe desse lugar não há paz que perdure.



Nenhum comentário:

Postar um comentário