10 de mar de 2012

Comendo


Nesta sexta feira (09/03) tive o prazer de participar do encontro “Mulheres em Círculo” no Yoga Dham.  Minha contribuição foi dirigir uma prática para auxiliar no processo de digestão e falar, como psicólogo, sobre alimentação e eliminação. Foi enriquecedor fazer isso junto com o médico ayurvédico (medicina tradicional indiana) Dr. Luis Guilherme e a nutricionista Dr.ª Marina Barbosa, mais os comentários e experiências dos participantes e da coordenadora Fabiana Rodrigues. Abaixo transcrevo mais ou menos o que falei sobre a alimentação, sobre a eliminação farei num texto futuro.  

Para manter-se vivo qualquer ser realiza constantemente uma troca com seu meio: tira algo dele e devolve algo á ele. A vida e a saúde não são possíveis sem esse trânsito adequado. Algo entra no organismo, é digerido e é eliminado. Esse é um processo fundamental para a vida, e qualquer distúrbio em algum momento desse percurso vai gerar patologias. O que entra no organismo é o alimento, no yoga esse processo é chamado de prana, absorção. O que sai é a excreção e no yoga isso é chamado de apana, eliminação.

Pois bem, nem só de pão vive o homem, nem só de alimento físico nós nos nutrimos e nos constituímos. A alimentação se dá em outros órgãos além da boca, ela ocorre também pelos nossos cinco sentidos. Vivemos mergulhados na experiência sensorial e delas nos alimentamos, sendo que boa parte disso ocorre inconscientemente. Determinadas músicas, assuntos, conversas, imagens, cenas, cheiros, ambientes, lugares e situações, podem ser um bom alimento para nós, nos nutrindo e nos fortalecendo, eles geralmente são de fácil digestão e eliminação. Existem ainda aqueles alimentos/experiências que são neutros para nós. Mas há também muitos alimentos/experiências que são ruins, que não nos nutrem, que são indigestos e dão um trabalho enorme para serem eliminados. Esses alimentos são aquelas experiências que trazem para nosso mundo mental e emocional uma carga de excitação excessiva, o que a torna agressiva, e talvez desnecessária.

Considerando isso, navegar pelos canais da TV ou pela internet, por exemplo, é o mesmo que abrir a geladeira e escolher o que será ingerido. Nosso dia-a-dia é um verdadeiro supermercado repleto de alimentos/experiências das mais variadas qualidades. Diante de tantas opções a intransferível pergunta: o que vou comer? O que vou incorporar? No que quero me transformar? Isso é bom para mim? Como isso alimenta meu coração, minha mente e minha alma?

Geralmente sabemos o que comemos e que não desceu bem, aquilo fica “conversando” com a gente por um tempo. Se formos mais atentos também saberemos que repercussões determinados alimentos/experiências geram em nosso mundo interno, como os digerimos e eliminamos. A meditação é uma forma de deixar todo esse processo mais evidente, funciona como uma digestão e eliminação emocional e mental. Essa clareza dos efeitos que os alimentos/experiências provocam em nós nos deixa mais responsáveis pelo que vamos ingerir, e podemos decidir se vamos mudar o rumo daquela conversa, ou se vamos ficar naquele lugar, ou se vamos mesmo assistir àquele filme.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário