26 de mar de 2014

Estarei pronto?



Neste ultimo final de semana, meu professor, Sandro Bosco, esteve em Taubaté realizando uma palestra sobre a prontidão. Nela ele pode compartilhar com um grupo de 36 pessoas o como entende essa atitude na vida, através de sua experiência de praticante e professor de yoga. Trouxe alguns exemplos e imagens, simples e interessantes, que aprofundaram e ampliaram esse tema, tais como o estado de prontidão das gestantes, das árvores e dos animais caçando e sobrevivendo, assim como o esclarecedor “resgate dos helicópteros vigias de plantão”.

Em janeiro, quando ainda estávamos acertando datas, ele me propôs alguns temas para a palestra e entre eles estava prontidão. Foi o que escolhi de imediato, apesar de haver vários outros igualmente interessantes. Mas apenas alguns momentos antes da palestra, enquanto arrumava as cadeiras e o puja, é que percebi o significado desse tema para mim.

A ideia de prontidão é recente para mim, pois acho que vivi muito mais tempo num estado de “viajandão” do que de prontidão, e isso mesmo depois de já estar praticando yoga e meditação. Há uns dois anos uma aluna, Patrícia, me emprestou o livro “Para uma pessoa bonita” da abadessa zen budista Shundo Aoyama Rôshi. O livro é uma coleção de pequenos ensaios sobre a vida no mosteiro e de associações entre a prática do zen e a vida diária. Uma delícia de livro que quase li de uma vez só. E assim, aberto e desavisado, acabei deparando-me com uma verdadeira bomba em um desses pequenos e despretensiosos textos. Ele provocou uma grande repercussão em mim, ou melhor dizendo, fez um grande estrago, que imagino não ter nenhuma chance de conserto.

No texto a monja relata sua estranheza inicial, ainda como noviça, com a rotina do mosteiro, principalmente com o badalar do sino que demarcava as atividades diárias. Ela se questionava por que precisava largar tudo o que estivesse fazendo, seja o que fosse, quando o sino tocava. Era difícil para ela abandonar a atividade que estava envolvida sem encerra-la completamente. Queria que o tempo do mosteiro estivesse de acordo com o seu, e não o contrário. Bem, ela incomodou-se com isso até que um dia em que compreendeu que essa era exatamente a sua (a nossa) situação diante da morte. Um dia, não se sabe quando e nem onde, o sino da morte soará. Nesse momento não será possível nenhum tempinho extra para acabar o que quer seja. Não será possível nenhuma negociação, nenhuma concessão, nenhuma exceção. Justiça absoluta para absolutamente todos.

Ainda hoje me falta ar e sinto meu coração acelerado ao considerar essa situação. Mas esse é um belo e bem dado tapa que traz consigo o estado de prontidão: “Acorde! Agora!”. Esse tapa dá outra direção para a energia psíquica e orgânica, que sai do pensar e projetar e passa a ser investida totalmente na experiência imediata. Prontidão é estar pronto, disponível, vazio e inteiro para o que quer que se dê. Mesmo a morte. E talvez essa seja a única e real liberdade: a prontidão e entrega para abraçar plenamente a morte assim que ela se apresentar.  
   

2 comentários:

  1. Pronto para continuar, não importando em que situação de vida, mesmo no pós morte fisica.

    ResponderExcluir
  2. Talvez esta seja realmente a nossa única opção: continuar, querendo ou não, pronto ou não. Abração

    ResponderExcluir